segunda-feira, 12 de março de 2012

Doe seu dinheiro à igreja e seja feliz!

Você já tem o cartão de crédito da sua igreja? Não? Então não perca mais tempo. Corra e adquira já o seu! Com ele você pode comprar parceladamente todos aqueles CD's ou DVD's de música gospel que vendem fora e dentro de algumas igrejas e, principalmente, aqueles livros espirituais, de auto-ajuda e Bíblias especiais, que você não comprou antes porque custam uma fortuna e não dá pra pagar a vista. Além de tudo isso, com o cartão de crédito da sua igreja você também pode quitar os seus débitos e parcelar seus dízimos em até 10 vezes sem juros. Tudo isso com a consciência limpa porque o cartão do cristão é totalmente em nome de Deus e, parte do seu lucro, provavelmente, vão para as suas respectivas igrejas.

E entrou Jesus no templo de Deus, e expulsou todos os que vendiam e compravam no templo, e derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas; E disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração, mas vós a tendes convertido em covil de ladrões. (Mateus 21. 12-13)

Você esqueceu de dar o dízimo no mês passado, torrou todo o seu salário e agora sente-se culpado por não ter contribuído com a sua igreja? É só pegar uma ficha que você pode conseguir na sua igreja e entregá-la para que seja levada na sua agência bancária. Assim você estará autorizando o banco a, todo mês, numa data da sua escolha, transferir o valor do dízimo da sua conta para a conta da igreja automaticamente. Não é prático? No mês que vem, você não precisará mais se preocupar com o dízimo, porque se você não pagar, a igreja vai lá na sua conta e toma. São os homens de Deus facilitando a sua vida com o débito automático do dízimo. Assista esse vídeo ao lado onde um empresário missionário explica essa idéia genial:

Toda e qualquer igreja precisa de dinheiro para se manter. Pelo esforço que elas demonstram ao criar inúmeros mecanismos para garantir e aumentar sua arrecadação, parece que os dízimos e as ofertas não estão sendo suficientes para pagar suas dívidas e manter algumas obras sociais que uma ou outra igreja faz. Por isso que um certo pastor não teve medo em ser um pouco mais ganancioso aldacioso em tentar alcançar, num projeto chamado de "Clube de 1 milhão de almas" uma pequena quantidade de dinheiro. Veja nesse vídeo ao lado.
Bem, só pra deixar claro o tamanho da benção pretendida por Malafaia, se sua campanha der certo e ele conseguir doações no valor de R$ 1000,00 de cada uma das 1 milhão de almas, ele terá arrecadado R$ 1.000.000.000,00 (1 Bilhão de reais). 
Gente, as igrejas precisam. Se as igrejas não possuírem essas pequenas quantias, de que modo farão obras  como a réplica do Templo de Salomão que está sendo construída em São Paulo? Será um necessário e humilde templo com 56 metros de altura (o que equivale a um prédio de 16 a 18 andares) + 7 metros de subsolo + Prédio no fundo com 41 metros de altura. Além disso, o templo terá 1200 vagas de estacionamento, escolas bíblicas para 1200 crianças, estação de rádio, estação de TV, Auditório, Hospedagem para pastores, Sistema central de aquecimento de água, Sistema de geração de energia própria e muitas outras coisas que vão me fazer passar o dia falando. A construção vai utilizar 28 mil m³ de concreto e 2000 toneladas de aço (Isso é o suficiente para construir mais dois Palácios do Planalto).
Projeto da Réplica do Templo de Salomão que está sendo
construído em São Paulo. Pequeninho... Chega dar dó!
Algumas igrejas não servem apenas como casa de oração e comércio gospel, serve também como um local onde podemos investir no sonho da nossa casa própria. É a inovadora idéia batizada por muitos de "Trízimo" (30% do salário). Com esse vídeo, ficarás admirado com a explicação de como o trízimo pode te abençoar com a casa própria. 
Vocês compreenderam, a partir das palavras do pastor, que essa iniciativa pode ser feita por qualquer um, seja aquele que mora de aluguel ou até mesmo aquele desempregado que mora de favor e vive de bicos. Não importa! Dê 30% do que você tem e do que você não tem e estará, dessa forma, plantando uma semente para sua casa própria. Aí está a solução para acabar de vez com o problema dos MST's. São os homens de Deus pensando em dar um lar para quem não tem.
As crianças, amadas pelo Senhor, também não ficam para trás e já estão trilhando os caminhos orientados pela sua igreja. Veja só que atitude linda desse garoto no vídeo ao lado.
Assistiram o garoto dar esse depoimento tocante? Isso vai tocar direto no bolso dele, que pretende vender tudo pra dar a igreja. Se uma criança já está fazendo isso, porque você, jovem ou adulto, ainda está aí parado? Corra para a sua igreja e dê a sua oferta, o seu dízimo, o seu trízimo, contribua para a construção de alguma igreja majestosa, compre um livro evangélico ou uma bíblia especial, mas não deixe de dar dinheiro para igreja pois, dessa maneira, você estará plantando a semente da prosperidade.

13 comentários:

  1. Tipo, não sou contra e tbm não ligo que doe grana pra igreja, vai da opnião de cada um...

    só que cartão de crédito é tenso ne..

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkk! Eu tbm acho que a igreja precisa de dinheiro. Mas vender dentro da igreja e se preocupar tanto, elaborando mil e uma formas de conseguir dinheiro são grandes absurdos.

    ResponderExcluir
  3. Gostei do seu post. Ainda assim, é curioso que vejo usualmente algo que já cansei de ouvir, posições muito extremadas. A primeira, dos "neo-ateístas" que dogmaticamente criticam os religiosos não apenas pelo dízimo, acreditando que crença é necessariamente sinônimo de ignorância. Outros, defensores de movimentos sociais, que afirmam que estes religiosos, embora passíveis de crítica, são na verdade "representantes" da coletividade de oprimidos historicamente, expressos por uma bancada evangélica no parlamento. Nem tanto, e nem tão pouco. Eu penso que, assim como as pessoas gastam seu dinheiro com as mais diversas banalidades, também são livres para bancar o dízimo. O problema é a recusa em assumir a responsabilidade por bancar uma obra faraônica, valor que poderia ser investido, por exemplo, na construção de milhões (sim, milhões) de casas populares. Logo, o dízimo não é uma questão de fé apenas, ou de liberdade individual; envolve o compromisso ético com a sociedade. Mas além de fanáticos, os brasileiros são homofóbicos, racistas, intolerantes, etc. etc. Outro problema: a sociedade brasileira, provavelmente por conta das implicações do capitalismo, segue à risca o "cada um por si", muita gente evitando essas discussões, como se fosse "politicamente correto" não discutir, não propor discussão. Ao invés de construirmos o templo de Salomão, construímos Babel.

    ResponderExcluir
  4. No meu Blog, Babel vai a baixo. E, graças a esse espaço, eu pude apreciar um comentário que eu tenho certeza que, quem leu, teve mais um pouco de cultura acrescentada em suas vidas. S.B. ,você expressou quase tudo o que eu penso e o que eu evitei falar. "Evitei" porque eu queria que o texto fosse baseado apenas em fatos e não na minha opinião, já que o texto trata de um assunto muito delicado. Mesmo assim, eu sou muito verdadeiro ao escrever e, em alguns momentos, minhas convicções parecem tentar aparecer em alguns trechos. Eu só discordo de uma coisinha: Pode ser que eu esteja errado, mas eu não acho que as pessoas deixam de discutir esse assunto apenas por ele não ser "politicamente correto" e sim porque temos que respeitar a religião e a opinião de cada um. Se essas pessoas acham que esse segmento evangélico da prosperidade é realmente verdadeiro, temos que respeitar as suas escolhas. Por isso eu demorei tanto pra falar sobre esse assunto. E, mesmo assim, eu só falei porque existem alguns artifícios usados por essas igrejas que perpetuam esse segmento que vão de encontro com o que a Bíblia prega. Caso contrário, eu nem teria tocado no assunto. Ainda assim, eu sinto que fui muito ousado a fazer esse texto, mesmo ele sendo todo baseado em fatos e palavras ditas pelos próprios lideres dessas igrejas.

    ResponderExcluir
  5. Blz Diego...gostei muito da crítica, não só desta postagem mas das outras que dei uma olhadinha por cima ....tá de parabéns....tem que fazer um agora da igreja católica..rsrrs

    ResponderExcluir
  6. Atende a seu pedido vou dar minha opinião publicamente, acho que esse assunto é relativo e que sim quem acredita e segue uma religião deve fazer o que acha correto para elas. Cada um acredita em algo e se você gasta milhões em computares, celulares, roupas, etc. por luxo não vejo por que se horrorizar com o dizimo e meio ridículo e hipócrita. Não acredito que tudo que compre seja de extrema necessidade apesar de te conhecer bem e saber que não é nada fútil. Acho sim que alguns religiosos exageram, mas como disse só alguns, não podemos generalizar. Cada um faz o que bem entende com seu dinheiro e se pra ter uma conhecia limpa dão o dízimos, não é problema meu. Cada um faz sua parte cabe a esses lideres saberem como gasta esse dinheiro pra expansão do Reino de Deus e se alguns não estão sabendo administra isso que fique bem claro que é são alguns e não todos, pois quem segue uma religião é porque acredita nela e não deve ter vergonha de dar o dizimo isso é uma escolha individual de cada um.

    ResponderExcluir
  7. Diego mais uma vez parabéns pelo texto.
    Li os comentários também e gostei muito do que a Hilma e o S.B falaram.
    Bem, eu sou evangélica e dou o dizimo. Mas assim como o Diego eu descordo do tal do débito automático. Primeiro porque o dizimo deve ser a primeira fatia a ser separada do salário, segundo que o débito automático simplesmente irá me "livrar" da responsabilidade de lembrar de dar o dizimo e não é assim que deve ser. A cada mês que passa devemos agradecer e oferecer a nossa décima parte de forma consciente, acredito que devemos orar antes de entregar o dizimo e td isso seria perdido.
    Também não concordo com luxos desnecessários de algumas igrejas. O dinheiro é para manter a casa, e realizar projetos para comunidade.
    Algo que gostaria de deixar claro é que o livro de contabilidade de qualquer igreja pode ser consultado pelos membros. Cabe a cada um conferir ou não

    ResponderExcluir
  8. Diego, obrigado! seus comentários também são muito interessantes. Acredito que é importante termos claro a diferença entre discussões políticas e discussões teológicas. Por exemplo, discutir se o dízimo conduzirá o fiel ou não ao céu é uma questão teológica. Agora, completamente diferente é discutir como são as práticas de cobrança do dízimo, a quais interesses atende e quais são as implicações destas na sociedade. Essa última é uma questão política, porque é de interesse coletivo (ou, ao menos, deveria ser). Como as discussões religiosas são baseadas na fé, elas realmente não devem ou não precisam ser discutidas. Mas quando as práticas e as convicções de um grupo afetam a sociedade, estas precisam ser discutidas. Por isso disse que por conta dessa confusão, muitas pessoas deixam de discutir as implicações POLÍTICAS dos grupos religiosos, achando que não é politicamente correto "e porque não se discute religião". Mas a questão é: não estamos discutindo religião, e sim política (esta, sim se discute!). Quando vemos que corporações religiosas, já multimilionárias e internacionais estão elaborando estratégias de facilidade de cobranças de seus participantes, independente de ser instituição religiosa, precisamos sim ficar atentos. Quando uma bancada evangélica no congresso começa a impor convicções religiosas específicas de um grupo na formulação de leis que devem atender a toda sociedade, também precisamos ficar atentos. Quando essas mesmas instituições religiosas expressam opiniões de intolerância contra a crença, a cor ou a sexualidade do outro, independente de ser instituição religiosa, além de ficarmos atentos, elas devem ser punidas, como manda a Constituição! Por isso discordo de Hilda: a questão do dízimo tem repercussões que estão para além do individual.

    ResponderExcluir
  9. S.B. , concordo com você quando você diz que a arrecadação da igreja e as formas utilizadas por elas devem ser discutidas. Até pq, essa é a essência da postagem. Quanto a Hilma, apesar dela ter colocado um ponto de vista muito interessante, ela parece não ter compreendido direito a minha intenção ao fazer essa postagem. Talvez eu devesse ter deixado isso mais claro, mas eu não tive nenhuma intenção de discutir se o dízimo deve ou não ser dado. Eu tbm acho que isso vai de cada um. E, como Hilma disse tbm, pessoas gastam dinheiro com muitas outras futilidades, antes dar a obra de Deus. O que eu descordei foi de métodos como o Trízimo e o débito automático do dízimo que demonstram claramente a preocupação excessiva da igreja em arrecadar dinheiro. A preocupação da igreja deveria ser apenas com a palavra de Deus. Ainda bem que Adriana Otero citou algo que eu esqueci de dizer na postagem: "o livro de contabilidade de qualquer igreja pode ser consultado pelos membros". Poucos fazem isso. Tá na hora de fazermos.

    ResponderExcluir
  10. Bem, acho que todos já conhecem o meu jeitinho "calmo e tranquilo" de discorrer sobre esses assuntos polêmicos, mas vou tentar ser o mais imparcial possível, pois mesmo sendo bem resoluto, acho que o respeito ao próximo é fator fundamental numa discussão.

    Como já foi explanado, não entrarei em debate sobre "se o dízimo deve ser dado ou não", pois realmente é uma questão individual. Acredito que o grande problema das igrejas é quando pessoas sem caráter são as responsáveis por sua gestão, e se aproveitam de sua posição para abusar da fé do povo, em virtude de promover seus interesses pessoais.

    Acho que cada um tem sim, o direito a crer naquilo que lhe agrada. Mas acredito que dentro de todas as religiões, o fanatismo é o grande mal que atinge os alienados. Se aproveitar da condição frágil de uma pessoa para incutir em sua mente as idéias que foram deturpadas por esses líderes, a ponto de torná-los verdadeiros "zumbis religiosos" é algo que chega a ser cruel. E o pior é que tem besta que acredita em tudo que o cara fala, e sai dando não só o dízimo, mas tudo o que tem para a igreja.

    Sinceramente, vi os vídeos que você postou e sou contra todos esses líderes religiosos. Não só eles, mas todos dessa horda que se corrompem e se deixam levar por sua ganância é que pra mim são o grande problema das igrejas hoje. A alienação está acabando com a mente do ser humano.

    todas as religiões que eu já ouvi falar (mesmo não tendo conhecimento profundo de nenhuma) tem seus pontos fortes, e pregam o amor e o respeito. O problema não é religião (não que você tenha dito isso Diego, estou apenas ressaltando a minha opinião), e sim a corrupção. E corrupção aqui no Brasil, é sinônimo de política, justamente a política que S.B. descreve bem nesse seu último comentário, o qual sintetizou de forma clara e objetiva boa parte do meu pensamento em relação a essa situação.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  11. Eu acho ridiculo essa postagem. Ninguem publica nos blog's da vida a corrupção, as condutas erradas de nossos politicos, o estudo e a saude que pioram a cada dia. O governo sim, arranca nosso dinheiro e ninguem se importa, vc nao tem "escolha" é obrigado a contribuir com seus impostos ou então será preso! Acho que isso sim é algo de publicar aos 4 ventos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enfim alguém que descorde radicalmente da postagem. Eu gosto quando pessoas trazem ideias contrárias, isso alimenta o debate e traz novos pontos de vista sobre o assunto. Mas vc, Anônimo, cometeu uma injustiça no seu comentário: Eu já fiz várias postagens falando sobre a conduta dos políticos, sobre a saúde e mais ainda sobre a educação. Procure nos arquivos do Blog algumas como "Em dia de chuva", "O Ensino Público e Seus Constrangimentos", "Privatização, não!", "Cidade das Greves", "Eu Pago R$ 2,50 pra que?" e muitas outras postagens que falam dos problemas que fazem a população sofrer. Muito obrigado pela sua participação e volte sempre, opinando contra ou favor. Abraço!

      Excluir

Google+ Followers

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...